segunda-feira
20 de Novembro de 2017 - 06:00
Subscrever feed Add to Google Subscrever num leitor de feeds
 
Destaque
Luís Santana: Administrador da Cofina tem o Baixo Alentejo no coração
 
Destaque
Apesar da seca qualidade da água ainda não preocupa
 
AGENDA
Especialistas debatem viola campaniça, cante ao baldão e despique
semana
 
PCP questiona Governo sobre obras nas escolas de castro e Serpa++
 
Falta de médicos especialistas preocupa PSD++
 
Comoiprel com nova direção ++
 
Marinha faz levantamento hidrográfico no Guadiana++
 
Beja participa no 2.º Encontro Ibérico de Leitores de Saramago++
 
Nomeações no IPBeja++
 
Noite de Fados da Santa Casa da Misericórdia de Beja ++
 
Quarta Noite Colorida da Cercibeja++
 
Centenário da Revolução de Outubro em exposição++
 
Centro de apoio ao imigrante em Serpa ++
 
Câmara de castro aprova redução da Taxa de Participação do IRS++
 
Cortiçol tem novos órgãos sociais para o biénio 2017-2018 ++
 
 
 
 
 
 
02-11-2017 14:36:22
 
Promessas

Luís Ferreira

Disseram pode escolher
O que havemos de fazer
Não deixei de ser esperto
Mas agora não acerto
E deixei de acreditar
Não posso é acertar
Se prometem uma coisa
E andam a aldrabar
Não suporto baralhadas 
Não quero mais alhadas
Deixei quase de pensar
Como havemos de votar
Mas eu não vou desertar
Só há geração perdida
Se a vida não for sentida
Como coisa apetecida
Preciso é desatar nós
Deste nó que nos ata
Deste nó que nos amarra 
E pouco a pouco nos mata
Um pouco do que eu faça
Faz-se do longe   ler  ++  
 

 
27-10-2017 9:32:00
 
A geringonça
adormeceu


Arsénio Guerreiro Colaço

O terrorismo ambiental
Um flagelo nacional
A tragédia aconteceu…
O mundo rural não vai esquecer
A nossa história vai escrever
A geringonça adormeceu.

Os incendiários são almas perdidas
Matando e queimando vidas
As labaredas, línguas de dragão…
O comando algures em Lisboa
Na fibra ótica do Siresp à toa
Deram lugar à confusão.

As florestas são um bem
Sem elas a vida não tem
A natural sustentabilidade…
Purificam o ar que respiramos
O oxigénio que inalamos
O pulmão da humanidade.

A proteção civil falhou
O criminoso atacou
A autoridade não percebeu…
Na fração   ler  ++  
 

 
16-10-2017 9:25:33
 
Percorrendo

Zé Carlos Albino

percorrendo-me
nos arejos das brisas primaveris
prenhes de botões
por irem florescendo
sentimo-nos nos encontros
das fruições
das emoções
dos encantos
nas vertigens das dádivas
de corpos com almas
por ir inventando

nas calmas
de campos quentes
de corpos suados
de sóis embriagantes
aconchegam-se
clamores
desafiantes de
de repentinas alegrias
estonteantes

as veredas
na terra e no céu
ficam mais térreas
ganham sombras
dum amarelo acastanhado
com viveres
prenhes de duvidosas certezas

percorrendo-nos
com frios, águas e ventanias
os ossos enrijecem
os miolos arrefecem
os caminhos ficam mais reais
os gentios aconchegam-se
nos cinzentos
por clarearem


A inveja e a ganância


Manel Martins Nobre

A ganância veio   ler  ++  
 

 
21-08-2017 9:34:02
 
Meu Alentejo

Joaquim Januário Figueira

I
Alentejo dos trigais
Milho, vinhas, olivais
Que aos outros metes cobiça
Do cantar alentejano
Do baldão provinciano
Da viola campaniça

II
Canção da humanidade
Foi feita a nossa vontade
Com merecido valor
Este cantar macilento
Cantado com sofrimento
Do povo trabalhador

III
Cantar ao sol escaldante
Em dias de vento levante
Insuportável o calor
Corpos curvados ceifando
O aguadeiro refrescando
Rostos pingando suor

IV
Alentejo das nossas vidas
De primaveras floridas
Do loiro seco do verão
Dos outonos nebulosos
Dos invernos rigorosos
Do quente vento suão


Beja

Maria José do Rosário

Cidade branca ao fim da tarde,
Vaga de gente na vaga   ler  ++  
 

 
12-06-2017 9:24:43
 
Em turbilhão

Zé Carlos Albino

As pedras,
de jogos vários,
soltam-se
vagueiam-se
conjugam-se
espreitam-se
escondem-se
marcam-se,
enquanto os jogos
jogando-se
ora se perdem
ora se ganham

Mas,
Pedras são pedras,
Emoções corações
Desejos criações


Balofo

Luís Ferreira

Este poema balofo
Cheio de oco e vazio
Sem ideia principal
Sem conteúdo final
Sem princípio, meio e fim
Sem nada no seu lugar
Nele nada tem jeito
Não é poema perfeito
É pura perda de tempo
Para o leitor normal
Ler um poema assim
Mas continuar a lê-lo
Para chegar ao fim
É ainda mais ruim
Já tinha sido avisado
Apenas por precaução
Mas você continuou
E não prestou atenção
Queria ler o   ler  ++  
 

 
05-06-2017 9:46:53
 
As borboletas às pintinhas

Arsénio Guerreiro Colaço

As borboletas às pintinhas
Beijando as florinhas
Voando num vai e vem
Usam gravatinhas pretas
Que lhes passam muito bem.

As borboletas estão dotadas
Para dançar apertadas
Aperta, aperta, está aberta
Segura e empurra, vai em frente…
Nas ondinhas floridas
Momentos felizes nas nossas vidas
No passado e no presente.

As borboletas são mudas
Cristas vermelhas e peludas
Gostam de receber e dar…
Beijinhos de dois a dois
Não digo o resto depois
Vamos lá imaginar.

Afinal, as borboletas
As pintinhas russas ou pretas
São as cores que quiseres…
Alegres e muito   ler  ++  
 

 
29-05-2017 9:30:31
 
 
 
 
 
  • http://www.yakademia.com http://www.artblows.com http://www.sensepam.com/ http://www.footneuf.com/ http://www.bestsextv.com http://www.nyctrio.com/ http://www.sexboxvideo.com/ http://www.sibura.com