segunda-feira
20 de Fevereiro de 2017 - 15:22
Subscrever feed Add to Google Subscrever num leitor de feeds
 
Destaque
“As mulheres têm de estar presentes na revolução tecnológica”
 
Destaque
Litoral luta contra prospeção de petróleo
 
AGENDA
Paulo Ribeiro apresenta novo álbum em Grândola
semana
 
Alqueva mostra-se em Paris ++
 
Executivo não divulga custo da RuralBeja, denuncia PS ++
 
Escola de Odemira volta a estar no pódio da reciclagem ++
 
Aprovada requalificação do Mercado Municipal de Serpa++
 
Moura assinala Semana do Idoso ++
 
Obras de Alqueva deixam estradas de Aljustrel em “estado calamitoso” ++
 
Lince ibérico Lítio regressa ao Vale do Guadiana ++
 
Encontros com a Dança em Mértola até novembro ++
 
Ordem dos Médicos de Beja debate A saúde e o interior” ++
 
Aljustrel prepara projeto “Cante à Mesa” ++
 
“Mar de Sines” vence prémio de “Melhor Filme Etnográfico” no Brasil++
 
Dia Europeu sem Carros em Aljustrel ++
 
“El País” e “Le Monde” rendidos a António Zambujo ++
 
Vinhos da costa alentejana envelhecidos no fundo do mar++
 
Documentário “Mar de Sines” mostra-se ao mundo ++
 
PS de castro acusa CDU de não querer baixar IRS no concelho++
 
Ana Moura atua em Sines no sábado++
 
José Cid e Marante nas festas de Beringel++
 
Associação alentejana Cultivamos Cultura representa Portugal na 1.ª Bienal de Design de Londres ++
 
Bejense António Vilhena será o único português em feira literária no Brasil++
 
 
 
 
 
Um novo filão na Mina...
 
06-03-2015 10:03:14
  A     A     A  
 

A Tapada Grande da Mina de São Domingos, no concelho de Mértola, foi o palco para um estágio da seleção nacional de paracanoagem, que se prepara para os Campeonatos da Europa e do Mundo, com os olhos postos no Rio 2016.


Texto e fotos Firmino Paixão


“Há cerca de uma década que a paracanoagem é uma realidade em Portugal, não só na vertente recreativa, mas também na área da reabilitação e a nível competitivo, com o intuito de pôr a competir pessoas que têm mobilidade reduzida”. A afirmação é de Ivo Quendera, 34 anos, técnico da Federação Portuguesa de Canoagem, licenciado em Ciências do Desporto, com uma forte especialização em desporto para pessoas portadoras de deficiência. 
O treinador nacional revelou: “A federação aposta na área competitiva desde 2009, tivemos dois atletas integrados no primeiro campeonato do mundo, no Canadá, e ambos participaram em finais e, desde aí, a federação desenvolveu um programa com uma equipa nacional. Em 2010 voltámos a estar presentes em campeonatos e a última vez que tivemos uma presença forte foi em 2013, quando o Norberto Mourão conseguiu o 5.º lugar no Europeu e o 9.º no Mundial”. Com a integração da canoagem no programa paraolímpico, e tendo no horizonte o Rio 2016, “abriram-se as portas para que a federação criasse esta equipa de trabalho que está aqui na Mina de São Domingos, num plano de água formidável para a prática desta modalidade”, sublinhou.
O objetivo é evidente. Selecionar os que estiverem melhor, esperando que consigam competir no Europeu, que se realizará na República Checa (maio), e trabalhar arduamente para o Mundial, em Milão (agosto), com a intenção de conseguir-se um apuramento paraolímpico para o Rio 2016, perspetivando-se que, pelo menos, uma das embarcações consiga esse apuramento para representar Portugal.
O treinador assume essa ambição dizendo: “A paracanoagem foi algo em que eu quis agarrar e o trabalho que o Norberto Mourão tem feito, a garra que ele mostrou e toda esta equipa de trabalho que aqui está, têm-me dado uma confiança extrema de Portugal ambicionar uma medalha em competições internacionais e marcar presença em finais paraolímpicas, porque é esse o sonho de qualquer treinador e de qualquer atleta”. 
Quendera sabe que o estágio decorreu numa terra cheia de história e de simbolismo, que no século passado foi uma importante alavanca no desenvolvimento regional, só não sabe se isso será talismã para a seleção.“Acredito nas raízes que o nosso povo tem. Costumamos dizer que Portugal é um país à beira mar plantado, mas um professor meu dizia que somos um país sobrevivendo à beira terra, porque olhamos para o nosso país, para este conjunto de quilómetros de areia, de terra e de pedra e, por vezes, estamos de costas viradas para o mar”. E lembrou: “Temos uma cultura náutica muito grande, que se tem perdido pouco a pouco. Sei que a Mina de São Domingos tem uma tremenda história, que foi um alicerce do desenvolvimento da região. A potencialização desta tapada pode trazer um acréscimo económico a toda a região, e veja que durante estes dias esteve aqui a treinar a seleção da Polónia na área da paracanoagem e um atleta porto-riquenho (Eddie Montañez) que também tem treinado connosco”. 
Mas Ivo Quendera não sobrevaloriza o fator integrador da canoagem por considerar que a modalidade, como qualquer outra atividade, deve ser acessível a todas as pessoas. Prefere isso, sim, a afirmação de que “a canoagem é um catalisador e potenciador de sensações e estímulos sensoriais que ultrapassa muitas das modalidades que as pessoas com deficiência praticam”. E sublinhou: “A modalidade tem traduzido melhorias exponenciais na vida dos praticantes e lembro que a primeira atleta portuguesa a participar num campeonato do mundo, a Carla Ferreira, tinha paralisia cerebral, e teve um acréscimo na sua qualidade de vida devido à prática de canoagem e isso enche-me de orgulho”. 
 
 
 
 
  • http://www.yakademia.com http://www.artblows.com http://www.sensepam.com/ http://www.footneuf.com/ http://www.bestsextv.com http://www.nyctrio.com/ http://www.sexboxvideo.com/ http://www.sibura.com