terça-feira
17 de Outubro de 2017 - 08:31
Subscrever feed Add to Google Subscrever num leitor de feeds
 
Destaque
O “ser alentejano” é qualquer coisa que a razão dificilmente explica
 
Destaque
Baixo Alentejo apresenta a menor esperança de vida em Portugal continental
 
AGENDA
Secular Feira de castro regressa no fim de semana
semana
 
BA11 abre portas à população++
 
EMAS promove reflexão sobre alterações climáticas++
 
Prevenir e combater o bullying em Aljustrel++
 
IPBeja recebe alunos provenientes de 13 países++
 
Morte no IC1 ++
 
Furto de animais em Moura++
 
Tentativa de homicídio em castro Verde++
 
Teatro para todos na Casa da Cultura++
 
Fundação Multifida em Mértola++
 
Museus Rurais do Sul em colóquio++
 
Piruka, Virgem Suta e DJ Cristian F Animam Ruralbeja++
 
António Zambujo nomeado para um Grammy Latino++
 
 
 
 
 
Hortas à distância de um clique
 
30-08-2011 9:35:38
  A     A     A  
 


A partir do final de setembro arranca o projeto "Hort@ n@ Net" e com ele todos os interessados podem gerir uma parcela de terreno cultivado através da Internet. Aqui o cliente pode decidir o que plantar e visualizar o crescimento da sua horta à distância de um clique. As hortas, essas, vão crescer nos terrenos do Centro Hortofrutícola do IPBeja.

Em que consiste o projeto "Hort@ n@ Net"?
Este projeto tem como objetivo fornecer às pessoas a possibilidade de gerirem, a partir da Internet, a sua horta. Esta horta consiste numa parcela de terreno com 7x7 metros (localizada no Centro Hortofrutícola do IPBeja), na qual o cliente pode decidir o que cultivar (de acordo com a época) e as operações culturais que pretende usar durante o processo de desenvolvimento das suas hortícolas, tudo isto através de uma conta pessoal na Internet. Quando os produtos estiverem prontos para serem consumidos, estes serão entregues diretamente ao cliente, quer no seu domicílio, ou no seu local de trabalho. O cliente tem ainda a possibilidade de visualizar, sempre que queira, o que se está a passar na sua parcela, pois através da sua conta na Internet pode visualizar, em tempo real, a sua parcela. Os clientes contam ainda com o apoio técnico de alunos finalistas em Engenharia Agronómica e Engenharia do Ambiente, os quais irão dar conselhos aos clientes, quer sobre as diferentes operações culturais que serão necessárias realizar na parcela, quer sobre a utilização correta dos recursos disponíveis (por exemplo, a água). É importante salientar que todo o trabalho de campo é efetuado pelos trabalhadores da empresa, mas todas as decisões finais sobre o que fazer na parcela são do cliente. Trata-se pois de um projeto inovador que pretende dar uma garantia de qualidade relativamente aos produtos hortícolas que os clientes vão consumir, pois são estes que comandam todo o processo de produção (com o apoio dos alunos finalistas) pelo que sabem, sem qualquer margem para dúvida, de onde vieram e quais as operações culturais que deram origem às hortícolas que vão consumir.



Como surgiu e quando será implementado?
Surgiu após eu ter desafiado os alunos dos 2.º e 3.º anos das licenciaturas da Escola Superior Agrária a sentarem-se comigo, uma vez por semana, para discutir potenciais ideias de negócio. Nestas reuniões apareceram, com assiduidade, seis alunos (André Mira, Nelson Lopes, Raúl Santos, Rodrigo Filipe e Tiago Nunes, de Engenharia Agronómica, e a aluna Sara Biscaia, de Engenharia do Ambiente) e foi com eles que surgiu esta ideia e este projeto. Embora estejamos um pouco atrasados relativamente ao que tínhamos inicialmente previsto, queremos arrancar com o projeto-piloto (20 parcelas, apenas para pessoas da cidade de Beja) no final de setembro, ou durante o mês de outubro. Eventuais interessados podem visitar a página http://www.esab.ipbeja.pt/hortananet/ para se candidatarem a este projeto-piloto.



Qual o investimento inicial e quais os custos previstos para o cliente?
Para o projeto-piloto pretendemos investir entre 14.000 a 16.000 euros. Para o cliente este serviço terá um custo de aproximadamente 25 euros mensais. A este custo acresce o custo de produção das hortícolas, o qual, no final, será muito semelhante ao da compra dessas mesmas hortícolas num hipermercado.



Luís Luz,
43 anos, trabalha em Beja

Luís Luz é licenciado em Engenharia Zootécnica e é mestre em Sistemas de Informação Geográfica. É docente do IPBeja, onde leciona as disciplinas de Tecnologias de Informação e Comunicação, Cartografia e Topografia, Sistemas de Informação Geográfica e Cartografia e Sistemas de Informação Geográfica. O projeto-piloto conta com a colaboração dos alunos do IPBeja.

Entrevista de
Nélia Pedrosa
 
 
 
 
 
  • http://www.yakademia.com http://www.artblows.com http://www.sensepam.com/ http://www.footneuf.com/ http://www.bestsextv.com http://www.nyctrio.com/ http://www.sexboxvideo.com/ http://www.sibura.com