quinta-feira
17 de Agosto de 2017 - 02:59
Subscrever feed Add to Google Subscrever num leitor de feeds
 
Destaque
Um tema de sempre a que a situação atual de seca extrema veio dar mais visibilidade. A falta de
 
Destaque
Superintendente Raul Glória Dias, comandante distrital da PSP de Beja, diz que policiamento de bairro “vai avançar em todos os bairros da cidade”
 
AGENDA
Cidade de Beja homenageia Santa Maria
semana
 
Bombeiros de Beja em Abrantes e Grândola ++
 
Vidigueira assinala Dia Internacional da Juventude++
 
Beja apoia incêndio em Abrantes++
 
Detida por tráfico de estupefacientes em Saboia ++
 
“Gestos ancestrais. Objetos de ontem e de hoje em exposição em Mombeja ++
 
Semana Cultural Carpe Diem chega ao fim no Sábado ++
 
Figueira dos Cavaleiros recebe Feira do Melão ++
 
Espetáculo solidário com António Zambujo em Mombeja++
 
Corrida de touros homenageia Manuel Almodôvar++
 
Piscinas descobertas de Mértola reabrem na sexta-feira++
 
Bombeiros de castro feridos em acidente de viação++
 
Ricardo e Henrique e Rebeca animam Festas de Quintos ++
 
 
 
 
 
13
 
03-01-2013 14:24:51
  A     A     A  
 

Paulo Barriga


E cá estamos, com o pezinho trémulo, a entrar no décimo terceiro ano do milénio. E os tremeliques não nos vêm propriamente da superstição ou da crendice a que o número 13 está subordinado, mas antes do raciocínio materialista, puro e duro, positivista, dos outros números. Dos números devidos, dos números das contas do Estado, dos números que o diabo carrega. Esta semana iniciamos no “Diário do Alentejo” uma rúbrica de horóscopos. Não é por nada do outro mundo. É apenas porque é giro e divertido. E começamos o ano 13, como é natural, sob o signo do capricórnio. O que é coisa boa. O capricórnio é disciplinado, concentrado, perseverante, concretizador, ambicioso. Tudo aquilo que gostaríamos de ser. Tudo aquilo que nos recusam, como diria o próprio Presidente da República na inauguração oficial do ano 13. Mas o 13, como nos ensina o nosso preconceito ancestral, está associado ao azar, ao negativismo, à fatalidade. Está associado à décima terceira carta do tarot, que é A Morte. No entanto, a morte, esta intrigante morte, nem sempre é aquilo que dela se pensa ou espera. Os especialistas dizem que esta carta sugere renovação e transformação. Que é, por certo, o vaticínio que mais necessitamos por estes tempos. Mudar é uma coisa boa, quando se muda aquilo que é mau. Ainda que com sacrifício. Eram 12 os apóstolos que cearam com Cristo. Ele era o décimo terceiro. O resto da história é conhecida. Não há número mais paradoxal que o 13: leva de veneração a mesma carga que leva de renúncia. Os hindus levantam sempre 13 estátuas de buda nos seus templos. Já os índios mexicanos adoravam 13 cabras sagradas. O misticismo que envolve o número 13 congela os nervos de muita gente por esse mundo afora. Sem razão aparente para tal. A legenda do símbolo do Benfica, leva 13 letras: E pluribus unum. De muitos se faz apenas um. Parece-me que esta, a do Benfica, é a via a seguir. Fazer de muitos, de todos, um apenas. Um Estado apenas, fraterno, igualitário, solidário, sob o signo da carta 13 do tarot. A tal carta maldita que apenas sugere regeneração, mudança, transformação. Que o ano 13 traga isso tudo e, já agora, que traga de volta o décimo terceiro mês. E isto sem qualquer ponta de superstição.


 
 
 
 
  • http://www.yakademia.com http://www.artblows.com http://www.sensepam.com/ http://www.footneuf.com/ http://www.bestsextv.com http://www.nyctrio.com/ http://www.sexboxvideo.com/ http://www.sibura.com