quinta-feira
17 de Agosto de 2017 - 02:59
Subscrever feed Add to Google Subscrever num leitor de feeds
 
Destaque
Um tema de sempre a que a situação atual de seca extrema veio dar mais visibilidade. A falta de
 
Destaque
Superintendente Raul Glória Dias, comandante distrital da PSP de Beja, diz que policiamento de bairro “vai avançar em todos os bairros da cidade”
 
AGENDA
Cidade de Beja homenageia Santa Maria
semana
 
Bombeiros de Beja em Abrantes e Grândola ++
 
Vidigueira assinala Dia Internacional da Juventude++
 
Beja apoia incêndio em Abrantes++
 
Detida por tráfico de estupefacientes em Saboia ++
 
“Gestos ancestrais. Objetos de ontem e de hoje em exposição em Mombeja ++
 
Semana Cultural Carpe Diem chega ao fim no Sábado ++
 
Figueira dos Cavaleiros recebe Feira do Melão ++
 
Espetáculo solidário com António Zambujo em Mombeja++
 
Corrida de touros homenageia Manuel Almodôvar++
 
Piscinas descobertas de Mértola reabrem na sexta-feira++
 
Bombeiros de castro feridos em acidente de viação++
 
Ricardo e Henrique e Rebeca animam Festas de Quintos ++
 
 
 
 
 
Os opostos que se tocam
 
27-12-2012 17:17:16
  A     A     A  
 
Luís Covas Lima Bancário


No rescaldo do ano velho e na expectativa do que o ano novo nos reservará, é sem nostalgia que olhamos para o abismo que nos engoliu. Um percurso com solavancos, sobressaltos e demasiadamente acidentado, faz-nos questionar se melhores tempos virão. Da consciência à divagação, da euforia ao descalabro, tudo se passou a um ritmo alucinante.
No balanço a fazer, importa não esquecer os mais frágeis, aqueles que deveriam ser uma prioridade da governação, muitas vezes os que mais precisam. Os nossos velhotes e crianças, sem ignorar a pobreza e o desemprego galopante a que temos vindo a assistir.
Com as dificuldades que cada um tem cada vez mais e que lhe vão sendo impostas de forma irredutível, é com solidariedade que todos vamos vivendo e sobrevivendo. Particularmente, no que respeita aos que estão em princípio de vida, as crianças e, principalmente, aqueles que estão na reta final de uma vida cheia de angústias e nem sempre bem vivida, os nossos velhotes.
Crianças e velhotes, extremos de um ciclo de vida nem sempre opostos, aliás, na maior parte das vezes muito próximos e que se adoram porque se compreendem como ninguém. Não falo tão pouco dos avós e dos netos pela relação umbilical que os une, mas genericamente dos mais velhos e dos mais novos, onde o compromisso e a tolerância parecem não ter limites. A proximidade e a cumplicidade entre aqueles que tiveram uma vida, às vezes repleta, mas ao mesmo tempo cheia de nada e de muito “não presto”, com os petizes, traquinas ou benjamins, são entendidas como uma manifestação de algo que perdurará por gerações e que nunca se perderá. 
Acreditam no futuro, que não estará ao alcance de ambos porque a todos já não chegará, mas creem sobretudo no presente em função de um passado mais recente ou não, onde vão aprendendo a viver cada dia que passa. Nos tempos correntes, um dia de cada vez.
Crianças e velhotes parecem polos contrários que nunca se tocam, porque extremos de uma vida. O princípio e o fim. Mas na realidade, há algo de mais profundo que os liga – a inocência, a ingenuidade e a confiança no próximo. E isso é algo de admirável, é algo que tínhamos enquanto crianças e que só recuperaremos quando também nós formos velhotes. 
Hoje, a meio caminho dos meus 50 anos, não sou inocente, não sou ingénuo mas quero vivamente acreditar no próximo… 
Por isso, espero que o próximo ano seja um pouco melhor. 
A todos, meus caros leitores, os sinceros desejos de um bom ano de 2013!
PS: Registei o sentimento e conteúdo expressos na crónica do José Saúde no número anterior deste jornal. Saudades são muitas. Fico-lhe grato. O pai Nana e família também agradecem.

 
 
 
 
  • http://www.yakademia.com http://www.artblows.com http://www.sensepam.com/ http://www.footneuf.com/ http://www.bestsextv.com http://www.nyctrio.com/ http://www.sexboxvideo.com/ http://www.sibura.com