quinta-feira
17 de Agosto de 2017 - 03:00
Subscrever feed Add to Google Subscrever num leitor de feeds
 
Destaque
Um tema de sempre a que a situação atual de seca extrema veio dar mais visibilidade. A falta de
 
Destaque
Superintendente Raul Glória Dias, comandante distrital da PSP de Beja, diz que policiamento de bairro “vai avançar em todos os bairros da cidade”
 
AGENDA
Cidade de Beja homenageia Santa Maria
semana
 
Bombeiros de Beja em Abrantes e Grândola ++
 
Vidigueira assinala Dia Internacional da Juventude++
 
Beja apoia incêndio em Abrantes++
 
Detida por tráfico de estupefacientes em Saboia ++
 
“Gestos ancestrais. Objetos de ontem e de hoje em exposição em Mombeja ++
 
Semana Cultural Carpe Diem chega ao fim no Sábado ++
 
Figueira dos Cavaleiros recebe Feira do Melão ++
 
Espetáculo solidário com António Zambujo em Mombeja++
 
Corrida de touros homenageia Manuel Almodôvar++
 
Piscinas descobertas de Mértola reabrem na sexta-feira++
 
Bombeiros de castro feridos em acidente de viação++
 
Ricardo e Henrique e Rebeca animam Festas de Quintos ++
 
 
 
 
 
O prazer de traduzir textos literários
 
21-12-2012 10:29:17
  A     A     A  
 

São várias as condecorações que acumula no seu currículo e recentemente foi distinguido com o Prémio Nacional Austríaco de Tradução Literária. Tem-se dedicado, entre outras matérias, à divulgação da literatura austríaca em Portugal. Já traduziu, por exemplo, Thomas Bernhard, Peter Handke, Heimito von Doderer, Hugo von Hofmannsthal e Arthur Schnitzler. Foi em Áustria que fez a sua carreira docente, no entanto, não esquece o seu torrão natal: Vidigueira.

Foi-lhe recentemente atribuído o Prémio Nacional Austríaco de Tradução Literária 2012. Qual é a sensação de receber tão distinto galardão? 
A minha sensação ao receber a notícia de que me tinha sido atribuído o Prémio Nacional Austríaco de Tradução Literária foi, em primeiro lugar, de uma enorme surpresa e depois, naturalmente, de uma grande satisfação e, direi mesmo, orgulho, porque este prémio representa para mim o reconhecimento do trabalho que tenho feito, com o objetivo de divulgar a literatura austríaca em Portugal. Dá-me ao mesmo tempo uma certa garantia de que esse trabalho não foi em vão.

O ministério da Educação, Arte e Cultura austríaco elogia o seu empenho na divulgação da literatura austríaca. Como tem sido este trabalho? Quais os autores que traduziu?
O meu trabalho no domínio da tradução literária deve-se, por um lado, ao prazer que sinto em traduzir textos literários (sobretudo poesia) para português e, por outro, à ideia de que as traduções são necessárias para dar a conhecer, num país de outra língua, neste caso Portugal, autores estrangeiros, no caso presente austríacos. Dos autores que traduzi, e que só comecei a publicar depois de me ter aposentado na universidade, distingo particularmente Thomas Bernhard, do qual já foram publicadas oito obras traduzidas por mim, tendo também já pronta a “Autobiografia” deste escritor, em cinco volumes, cuja edição, porém, em especial por motivos financeiros, aguarda ainda o momento oportuno. Dos outros autores que já traduzi distingo particularmente Peter Handke, Heimito von Doderer, Hugo von Hofmannsthal e Arthur Schnitzler.
Como definiria este seu percurso em Áustria?
O meu percurso na Áustria deveu-se a um conjunto de circunstâncias felizes e ocasionais, sobretudo as que levaram a que eu fosse enviado pelo Instituto de Alta Cultura para desempenhar as funções de leitor de Português na Universidade de Viena, em 1962, e as que permitiram depois que, terminada essa missão oficial, eu fosse contratado pela universidade e pudesse ficar em Áustria, fazendo aqui a minha carreira docente, o que me deu o maior prazer. Viena é uma cidade que, desde o primeiro contacto, me fascinou e sinto-me muito feliz por aqui me ter radicado. No entanto, continuo a ser português, mais ainda alentejano, como costumo dizer, e todos os anos passamos, a minha mulher e eu, grande parte do verão emVidigueira (Viena e Vidigueira são os polos da minha vida).

Considera que a literatura é fundamental no processo de integração europeia?
É muito difícil dizer o que é fundamental no processo de integração europeia, porque se trata de um processo extremamente complexo, que depende de muitos fatores. Mas parece-me muito importante, diria mesmo fundamental, que haja nos cidadãos dos vários países o conhecimento e a compreensão suficientes para aceitar e, mais ainda, reconhecer as vantagens de uma tal integração. E a arte em geral e a literatura em particular são fatores que se elevam acima dos interesses, tantas vezes mesquinhos, do dia a dia e permitem uma consonância espiritual ou intelectual que una os cidadãos em vez de os separar, como fazem, por exemplo, a política e a economia. E, no meu entender, o conhecimento e a compreensão do que somos são os fatores que mais podem contribuir para uma humanidade mais humana.


José Palma Caetano
81 anos, 
natural de Vidigueira

É licenciado em Filologia Germânica pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e doutorado em Germanística pela Universidade de Viena. Exerceu em Portugal, mas em maio de 1962 começou a exercer a função de leitor na Universidade de Viena. Exerceu também na Universidade de Graz. Conta com várias publicações em livros e revistas e com várias traduções literárias, somando várias condecorações. 

Bruna Soares


 
 
 
 
  • http://www.yakademia.com http://www.artblows.com http://www.sensepam.com/ http://www.footneuf.com/ http://www.bestsextv.com http://www.nyctrio.com/ http://www.sexboxvideo.com/ http://www.sibura.com