quinta-feira
17 de Agosto de 2017 - 02:47
Subscrever feed Add to Google Subscrever num leitor de feeds
 
Destaque
Um tema de sempre a que a situação atual de seca extrema veio dar mais visibilidade. A falta de
 
Destaque
Superintendente Raul Glória Dias, comandante distrital da PSP de Beja, diz que policiamento de bairro “vai avançar em todos os bairros da cidade”
 
AGENDA
Cidade de Beja homenageia Santa Maria
semana
 
Bombeiros de Beja em Abrantes e Grândola ++
 
Vidigueira assinala Dia Internacional da Juventude++
 
Beja apoia incêndio em Abrantes++
 
Detida por tráfico de estupefacientes em Saboia ++
 
“Gestos ancestrais. Objetos de ontem e de hoje em exposição em Mombeja ++
 
Semana Cultural Carpe Diem chega ao fim no Sábado ++
 
Figueira dos Cavaleiros recebe Feira do Melão ++
 
Espetáculo solidário com António Zambujo em Mombeja++
 
Corrida de touros homenageia Manuel Almodôvar++
 
Piscinas descobertas de Mértola reabrem na sexta-feira++
 
Bombeiros de castro feridos em acidente de viação++
 
Ricardo e Henrique e Rebeca animam Festas de Quintos ++
 
 
 
 
 
Ensaio: Angústia branda*
 
17-12-2012 10:38:15
  A     A     A  
 

Mário de Carvalho Escritor


Há anos que acompanho o “Bartoon” de Luís Afonso e posso assegurar que se tivesse que enumerar as várias razões que me levam a comprar um jornal diário, a sua tira seria, sem dúvida, uma das mais relevantes. Esta capacidade de ter graça, e de ter graça todo os dias, e de conseguir ver sempre o lado faceto das situações é um dom que se admira e inveja. A que deus foi Luís Afonso prometido para conseguir este efeito magnífico, convocando desde logo uma adesão e simpatia generalizadas? É um pico de luz – um sobressalto feliz – um rasgo de brilho, que torna o sorriso irresistível, desafiando o cinzentismo envolvente. Não raro é aquele sorriso interior com que nós nos congratulamos a nós próprios e que, no íntimo, agradecemos a quem o produz.
Aqui há uns anos, alguém pôs na minha boca a frase, que eu nunca diria no meu estado normal: “a literatura é uma coisa muito séria”, porventura querendo o meu interlocutor decifrar o sentido de outra coisa qualquer que eu disse. Não é nada uma coisa muito séria. Trata-se de uma realidade humana com que se pode – e com que se deve – brincar.
Às vezes instala-se uma certa gravitas, muito feita de auto-convencimento, armada de grandes frases e pomposa solenidade que merece mesmo ser desmanchada. E Luís Afonso faz isso com lucidez e inteligência. Este livro é um gozo pegado com a literatura e com a instituição literária.
Vamos começar por aquilo a que os estimáveis teóricos chamam o “paratexto”.
Como subtítulo a O Comboio das Cinco, surge “o livro de Lopes, o escritor pós-moderno”. E isso obriga-me logo a parar aqui: Lopes, aí está um nome dos mais difundidos da nossa onomástica que poderia por si, exemplificar o chamado homem vulgar, o homem da rua. Quando eu era miúdo havia uma canção popular que se chamava “O Lápis do Lopes”, a que se seguiu uma réplica benemérita intitulada “A Borracha do Rocha”. É assim que o livro se apresenta, sob o signo raso do quotidiano e do corriqueiro. Mas logo caímos no primeiro jogo. É que eu não encontrei nenhum Lopes lá dentro. Encontrei sim um João Fragoso, um Manuel Joaquim, um Baptista, um Serafim Augusto, mas este Lopes escapa-se-me por entre as linhas e não o encontro materializado no texto. A não ser que seja aquele rapaz azougado, de camisa clara, que nos aparece nos desenhos. 
Mas fica a indicação de que ele (mesmo ausente) é um escritor pós-moderno, e essa é uma boa notícia: é que está muito bem acompanhado. E desafia uma vez mais à captação dessa inefável realidade que é o pós-modernismo na literatura portuguesa. A designação, em termos teóricos, tem uma genealogia sisuda e controvertida. Mas não deixou de ser utilizada, por cá, no jeito um bocadinho desprezivo de alguém que pretendia, porventura, reconduzir-nos a um certo redil: aquele em que por um lado, todos deveríamos ainda escrever no rasto dos anos setenta, omitindo, por outro lado, a vasta tradição literária secular.
Seja pois Lopes o tal escritor pós-moderno que é louvadíssimo na contracapa, nos relances autorizados do “The Timelines”, ou o “Newark Post”, com entusiásticos “arrebatador!”, “deixa-nos sem imaginação!”, etc. Por experiência própria, eu atrever-me-ia a suspeitar que deve ter dado imenso trabalho ao escritor, mencionar jornais que não existem. Não é fácil chegar à conclusão de que não há mesmo, em nenhuma parte do mundo, incluindo o Minesotta, um periódico que não se chame, por exemplo, o “Timelines”.
Mas na contra capa aparece-nos numa caixa, com um grafismo de carimbo, esta advertência sensacional: “Este livro contém indicadores de qualidade literária”. Não só, acrescento eu. Aqui houve pecado de avareza: neste livro inventariei, sem exaurir, indicadores – de qualidade literária; indicadores de crítica social; indicador de onomatopeia de qualidade literária; indicador de pertinência; indicador de superioridade intelectual do autor; indicador de qualquer coisa depois logo se vê o quê; indicador de frase batida; indicador de qualidade literária muito própria; indicador de experiência de vida; indicador de cultura cinematográfica; indicador de lugar-comum; indicador de profundidade. 
De notar que estes indicadores vêm repetidamente assinalados à margem e surgem em caracteres cinza. Tratando de um artista da imagem, é claro que este aspecto tinha de estar presente. Nas páginas ilustradas quando é referido o filme que adaptará o livro, propõe-se que haja uma luzinha vermelha no écran a assinalar a qualidade do “grande cinema”.
Pergunto-me se esta constante sinalização de um autor que conduz (e ajuda o leitor) não será alusiva a um certo literalismo implantado pela pressão duma comunicação social que se rege pelo menor esforço e por um ensino que, durante anos, dinamitou as pontes para a grande literatura. Digo isto porque, ainda recentemente, a propósito de um texto meu irónico (no sentido mais forte – o da produção de uma afirmação para dizer exactamente o contrário) vários comentadores me observaram que devia ter sinalizado (“legendado”) a ironia. Por este andar, o Luís Afonso, daqui a uns anos, terá de ter legendas explicativas no seu “Bartoon”. Olhem que isto é uma criação artística, é uma alusão, os homens, na realidade, não tem os olhos assim, nem os pés, nem as mãos
Neste ponto, e na mesma linha, eu queria sublinhar uma feição que me impressionou fortemente: a constante reflexão do escritor sobre a matéria textual produzida. Não há apenas indicadores à margem. No próprio texto, o autor comenta a própria escrita (a dúvida, por exemplo, sobre se last but not least, estará bem a propósito dum caso de dupla identidade que envolve uma junta de freguesia e um clube de futebol). Impõe-se aqui o ponto de vista do próprio narrador, que gradua o uso do português conforme o praticante tenha uma licenciatura ou não (neste último caso – e isso seria discutível – menos propenso ao erro).
Mas a dimensão lúdica deste texto que se comenta com extrema pertinência – e que revela hábitos de atenção e de análise de leitura invulgares – prolonga-se com a tentativa de convencimento de um realizador a fazer um filme a partir do livro. Trata-se de desenhos de um humor hilariante que eu diria (pegando na piada sobre a contabilidade de Luís Afonso) que acrescentam muito ao texto. E aqui insinua-se a ideia, por um lado muito literária, mas também muito cinematográfica, aproveitada para a crítica da sociedade actual, dos mundos paralelos: o mundo verdadeiro ou da realidade e o mundo virtual, do fingimento, do devaneio do sonho, ou… sabe-se lá…
Resumindo: é-nos proposta uma história-quadro, a de Fragoso e Madalena, em que se inserem outras duas histórias (se não contarmos com o “pitching” do filme), sem ligação aparente, a não ser o nexo estilístico e a divertida observação de costumes pelo autor, que não poupa – embora com bonomia – as mentalidades e os comportamentos populares. Por exemplo, falar de “civilização” numa contenda de taxistas, é de má-nota. Também, nunca saberemos se aquela tasca que se chama, repetidamente, “Retiro dos Caçadores”, é a mesma tasca no caminho duma motocicleta que se alegrou, ou um resultado de falta de imaginação de quem a baptizou.
Tudo isto transborda de um diálogo extremamente imaginativo, carregado de paradoxos, divertido, exprimindo oposições e contrastes, dum autor que é um excelente conhecedor de processos e expedientes da narração (não falta o célebre deus ex-machina de “afinal era tudo um sonho”…) e de esquemas como a “passagem para outro território” ou o encurralamento das personagens para que o autor lhes trate da saúde, sem testemunhas, sem hipóteses de fuga e sem apelo nem agravo.
No final, que não revelo, ficam no ar algumas interrogações e alguma incomodidade. Será que? …E aqui está uma marca que eu poderia apontar, utilizando a expressão do autor, como um leve sinalizador de angústia. Angústia branda, que vem dar tempero à leveza.
Já seria abuso se eu continuasse a tentar desvendar o livro, parágrafo a parágrafo, como, por mérito do autor, apetece fazer. O caso é que as verdadeiras obras do espírito, que exprimem uma certa relação com os outros e com o mundo, se projectam numa área muito mais vasta que a sua própria dimensão, cheias de ressonâncias e sussurros.

* Texto de apresentação de O Comboio das Cinco, de Luís Afonso, no El Corte Inglés de Lisboa, no passado dia 16 de novembro.

 
 
 
 
  • http://www.yakademia.com http://www.artblows.com http://www.sensepam.com/ http://www.footneuf.com/ http://www.bestsextv.com http://www.nyctrio.com/ http://www.sexboxvideo.com/ http://www.sibura.com