quinta-feira
17 de Agosto de 2017 - 02:46
Subscrever feed Add to Google Subscrever num leitor de feeds
 
Destaque
Um tema de sempre a que a situação atual de seca extrema veio dar mais visibilidade. A falta de
 
Destaque
Superintendente Raul Glória Dias, comandante distrital da PSP de Beja, diz que policiamento de bairro “vai avançar em todos os bairros da cidade”
 
AGENDA
Cidade de Beja homenageia Santa Maria
semana
 
Bombeiros de Beja em Abrantes e Grândola ++
 
Vidigueira assinala Dia Internacional da Juventude++
 
Beja apoia incêndio em Abrantes++
 
Detida por tráfico de estupefacientes em Saboia ++
 
“Gestos ancestrais. Objetos de ontem e de hoje em exposição em Mombeja ++
 
Semana Cultural Carpe Diem chega ao fim no Sábado ++
 
Figueira dos Cavaleiros recebe Feira do Melão ++
 
Espetáculo solidário com António Zambujo em Mombeja++
 
Corrida de touros homenageia Manuel Almodôvar++
 
Piscinas descobertas de Mértola reabrem na sexta-feira++
 
Bombeiros de castro feridos em acidente de viação++
 
Ricardo e Henrique e Rebeca animam Festas de Quintos ++
 
 
 
 
 
Elogio bejense a Jorge Amado
 
17-12-2012 10:37:43
  A     A     A  
 
O “Diário do Alentejo” publicava regularmente, no início da década de Sessenta, recensões de novos livros e críticas literárias.
Em dezembro de 1962, um “registo bibliográfico”, não assinado, revelava “De como o mulato Porciúncula descarregou seu defunto”, num texto onde se elogiava o autor da novela, Jorge Amado, ligado na época ao Partido Comunista Brasileiro. O vespertino bejense conseguia, de forma hábil, fazer passar as ideias progressistas do escritor brasileiro pelas malhas da Censura fascista:
“É de Jorge Amado, esse mundialmente festejado autor de ‘Jubiabá’, a curiosa e sugestiva novela que acabámos de ler, integrada na colecção ‘Best-Sellers’ há pouco iniciada sob a criteriosa orientação de Jorge Daun.
Jorge Amado é, decerto, o escritor brasileiro mais querido e popular em Portugal (porque não em todo o mundo?!). Prosador inconfundível, que faz da linguagem tipicamente baiana um doce poema de humanidade e filosofia social, ele recolhe no dramatismo quotidiano da gente da rua toda a riqueza temática dos seus romances.
São dele mesmo estas palavras de defesa a determinado faccionismo político que, por vezes, se pretende apontar no homem para ‘destruir’ a inegável validade do escritor, sempre identificado com a problemática social do seu tempo:
‘Meu único compromisso até hoje e, espero, certamente, até à última linha que venha a escrever, tem sido com o povo, com o Brasil, com o futuro. Minha parcialidade tem sido pela liberdade contra o despotismo e a prepotência; pelo explorado contra o explorador; pelo oprimido contra o opressor; pelo fraco contra o forte; pela alegria contra a dor; pela esperança contra o desespero – e orgulho-me dessa parcialidade’.
Contudo, em ‘De como o mulato Porciúncula descarregou seu defunto’, Jorge Amado narra apenas uma história leve, poética mesmo, do amor frustrado dum mulato.
Original a maneira como o escritor começa por levar ao leitor a figura, de sugestivo desenho psicológico, de Gringo, como sendo a de personagem central da novela, para, quase tão suavemente que mal se dá por ela, operar a mutação e nos oferecer a narrativa do amor de Porciúncula por Maria do Véu, moça perdida nos vaivéns da sorte que sonhou até morrer com o vestido de noiva ‘todo branco, com o véu arrastando e flores na testa’, que jamais teve.
Original também, e como afirmação magistral do grande prosador, o fecho da novela, no qual, de novo, Gringo, o bêbado da cachaça, volta a entrar em cena e cuja história se promete (apenas promessa no enquadramento da narrativa) para ‘outra vez, mesmo porque exige tempo’...”. 

Carlos Lopes Pereira

 
 
 
 
  • http://www.yakademia.com http://www.artblows.com http://www.sensepam.com/ http://www.footneuf.com/ http://www.bestsextv.com http://www.nyctrio.com/ http://www.sexboxvideo.com/ http://www.sibura.com