sábado
23 de Setembro de 2017 - 15:30
Subscrever feed Add to Google Subscrever num leitor de feeds
 
Destaque
Emanuel Garcês: Vai muito para lá do dinheiro a luta dos enfermeiros
 
Destaque
Querer é poder
 
AGENDA
Mostra de Artes de Rua anima Sines até amanhã
semana
 
Jerónimo de Sousa em Beja++
 
Sismo sentido em Barrancos++
 
Candidaturas para “Aldeia dos Sonhos”++
 
castro Verde participa na reunião da Rede Nacional de Reservas da Biosfera++
 
Santo André exige passagem pedonal++
 
Cebal promove “Um dia com …”++
 
Outeiro do Circo marca presença no Heritales++
 
Jornada do Património Cultural Imaterial do Alentejo ++
 
Autoridade Marítima alerta para cuidados com caravelas-portuguesas ++
 
Detetor de trovoadas instalado em Serpa++
 
Trabalhador morre em Odemira++
 
“Águas passadas” em exposição na EMAS++
 
 
 
 
 
“Discutir de forma apaixonada a ciência”
 
17-07-2017 12:10:46
  A     A     A  
 

José Valente, natural de Beja


É licenciado em Física e Química pela Universidade de Évora. Frequentou as licenciaturas de Matemática Aplicada e de Ciências Físicas, o mestrado em Física, na Universidade de Évora, e o doutoramento em Física, na Universidade da Estremadura. É professor no ensino secundário desde 1982. Organizou com o professor José Aiveca o primeiro clube de Astronomia em Beja. Tem organizado vários clubes de ciências. Foi responsável pelo programa de rádio “Cosmos”, na Rádio Pax.


“Dez temas de ciência” é o mote de um ciclo de conferências e debates que está a decorrer na Biblioteca Municipal José Saramago, em Beja, até ao final de novembro, criado por José Valente e Manuel Azedo.


Beja recebe até novembro um ciclo de conferências de divulgação científica com 10 temas em debate. Em que contexto surge este ciclo? O que é que se pretende?
Com este ciclo, eu e o dr. Manuel Azedo pretendemos levar a ciência ao público utilizando uma linguagem acessível com exemplos divertidos e interessantes, mostrando que a ciência é maravilhosa. É intenção passar-se momentos agradáveis e úteis, apresentar as últimas descobertas, discutir de forma apaixonada a ciência e o nosso lugar no cosmos, bem como contribuir para o progresso das mentalidades. São contadas histórias encantadoras e apresentadas imagens interessantes.


Os seus promotores defendem que o ensino da ciência deve ter como destinatários, desde logo, as crianças… Qual a importância da ciência no mundo atual e como se pode despertar o interesse nos mais pequenos?
A ciência é a base da tecnologia no mundo, traz-nos mais conforto e as curas para as nossas doenças. José Aiveca ensinou-nos como motivar as crianças. E fê-lo na prática!


Em que estado se encontra o ensino da ciência em Beja?
Os rankings escolares não são tudo. O nosso ensino é muito mecanizado, as perguntas nos exames são semelhantes às resolvidas nas aulas e não se ensina a pensar.


Ainda persiste o legado dos professores José Aiveca e Mariano Gago?
José Aiveca ensinou-me a construir telescópios, caleidoscópios e a saber pensar. Foi um mestre. Muitos professores, que foram seus alunos no Magistério Primário, aprenderam a ensinar de forma diferente. Mariano Gago contribuiu para o avanço da ciência em Portugal aumentando o número de doutores e elevando o nível da investigação nacional. Portugal fez progressos na sua participação nos organismos de excelência da ciência mundial como o CERN, o ESO ou a ESA.


Qual o balanço que faz das conferências realizadas até ao momento?
O balanço tem sido muito positivo. É a primeira vez que num espaço público se está a fazer divulgação científica a sério. A adesão das pessoas superou as expetativas que fazem inúmeras perguntas acabando por comentar que gostaram. Como conferencistas destacam-se os presidentes da Sociedade Portuguesa de Astronomia, o subdiretor da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, o primeiro doutorado em Astrofísica em Portugal que investigou em Jodrell Bank sobre pulsares e tema quente da ciência mundial da altura, o conhecido divulgador de Astronomia dr. Máximo Ferreira, investigadores com artigos publicados na prestigiada revista “Nature” ou do colaborador de Adrian Bejan, autor de teoria mundialmente conhecida. A bibliotecária municipal dra. Paula Santos tem feito uma gestão deste ciclo exemplar e temos tido o apoio moral do professor Luciano Rosa. Era algo que faltava em Beja.
Nélia Pedrosa
 
 
 
 
  • http://www.yakademia.com http://www.artblows.com http://www.sensepam.com/ http://www.footneuf.com/ http://www.bestsextv.com http://www.nyctrio.com/ http://www.sexboxvideo.com/ http://www.sibura.com