sábado
18 de Novembro de 2017 - 10:07
Subscrever feed Add to Google Subscrever num leitor de feeds
 
Destaque
Luís Santana: Administrador da Cofina tem o Baixo Alentejo no coração
 
Destaque
Apesar da seca qualidade da água ainda não preocupa
 
AGENDA
Especialistas debatem viola campaniça, cante ao baldão e despique
semana
 
PCP questiona Governo sobre obras nas escolas de castro e Serpa++
 
Falta de médicos especialistas preocupa PSD++
 
Comoiprel com nova direção ++
 
Marinha faz levantamento hidrográfico no Guadiana++
 
Beja participa no 2.º Encontro Ibérico de Leitores de Saramago++
 
Nomeações no IPBeja++
 
Noite de Fados da Santa Casa da Misericórdia de Beja ++
 
Quarta Noite Colorida da Cercibeja++
 
Centenário da Revolução de Outubro em exposição++
 
Centro de apoio ao imigrante em Serpa ++
 
Câmara de castro aprova redução da Taxa de Participação do IRS++
 
Cortiçol tem novos órgãos sociais para o biénio 2017-2018 ++
 
 
 
 
 
Desengano
 
23-03-2017 15:40:25
  A     A     A  
 
Só sobrou uma palavra. É a última. Adeus. Já não tenho mais, para ti já não tenho mais. Sou absolutamente muda. Tinhas frio e eu inventava o verão, medo e eu inventava coragem, sede e eu inventava água, estavas cansado e eu inventava umas asas para te levar céus afora. Preferiste o inverno, preferiste a cobardia, preferiste não beber em mim, preferiste ir a pé para tão longe. Querias o meu corpo e eu dava-te o meu corpo, querias outras e eu dava-te o meu corpo, querias silêncio e eu dava-te silêncio, querias gritos e eu dava-te silêncio. Por isso, adeus. Sou inverno, tenho medo, tenho sede e estou cansada. Por isso, esta noite prendo o cabelo e solto-me de ti, já não vale a pena ficar a teu lado à espera de comer as migalhas do teu sorriso. Levo a minha dor fechada na boca, mato-a na boca e engulo-a. Não, não hás-de ouvir o meu amor a morrer, serei discreta, não chorarei, não chorarei. Já me nascem outras palavras no corpo, hão de ser flores, hão de ser flores. Levo a invenção de outros olhos que me vejam, de outras mãos que me tenham, de outra pele que me acenda, e se eu não disser nada, não é porque me faltem palavras, não é porque não tenha nada para dizer, é porque os lábios dele me estão a tapar a voz. E longe de ti, haverá uma outra língua a atravessar a fronteira dos meus dentes. Vítor Encarnação
 
 
 
 
  • http://www.yakademia.com http://www.artblows.com http://www.sensepam.com/ http://www.footneuf.com/ http://www.bestsextv.com http://www.nyctrio.com/ http://www.sexboxvideo.com/ http://www.sibura.com