quarta-feira
26 de Julho de 2017 - 07:26
Subscrever feed Add to Google Subscrever num leitor de feeds
 
Destaque
As alterações climáticas provocadas pelas atividades humanas estão a matar a floresta de sobro e de azinho
 
Destaque
Saíram do País rural para África para defender a nação. No regresso não traziam só saudades. Com eles vinha “uma coisa” que só descobriram muitos anos depois: stresse pós-traumático
 
AGENDA
Museu da Ruralidade celebra seis anos
semana
 
Alqueva adota medidas contra a seca ++
 
ACT promove seminário em Beja ++
 
Festa de Santa Maria na Amareleja ++
 
Sines recebe ação contra prospeção e exploração de petróleo e gás++
 
Morreu Guilhermino Ramos ++
 
Um morto em despiste em Aljustrel++
 
Obras na praça da República em Beja ++
 
União de freguesias de Moura e Santo Amador oferece livros de fichas++
 
Intervenção Precoce na Infância em Moura++
 
EMAS promove ações para os centros de atividades de tempos livres ++
 
Feira anual de setembro, em Moura, realiza-se entre os dias 8 e 10 ++
 
Aldeia de São Domingos recuperada ++
 
 
 
 
 
Desengano
 
23-03-2017 15:40:25
  A     A     A  
 
Só sobrou uma palavra. É a última. Adeus. Já não tenho mais, para ti já não tenho mais. Sou absolutamente muda. Tinhas frio e eu inventava o verão, medo e eu inventava coragem, sede e eu inventava água, estavas cansado e eu inventava umas asas para te levar céus afora. Preferiste o inverno, preferiste a cobardia, preferiste não beber em mim, preferiste ir a pé para tão longe. Querias o meu corpo e eu dava-te o meu corpo, querias outras e eu dava-te o meu corpo, querias silêncio e eu dava-te silêncio, querias gritos e eu dava-te silêncio. Por isso, adeus. Sou inverno, tenho medo, tenho sede e estou cansada. Por isso, esta noite prendo o cabelo e solto-me de ti, já não vale a pena ficar a teu lado à espera de comer as migalhas do teu sorriso. Levo a minha dor fechada na boca, mato-a na boca e engulo-a. Não, não hás-de ouvir o meu amor a morrer, serei discreta, não chorarei, não chorarei. Já me nascem outras palavras no corpo, hão de ser flores, hão de ser flores. Levo a invenção de outros olhos que me vejam, de outras mãos que me tenham, de outra pele que me acenda, e se eu não disser nada, não é porque me faltem palavras, não é porque não tenha nada para dizer, é porque os lábios dele me estão a tapar a voz. E longe de ti, haverá uma outra língua a atravessar a fronteira dos meus dentes. Vítor Encarnação
 
 
 
 
  • http://www.yakademia.com http://www.artblows.com http://www.sensepam.com/ http://www.footneuf.com/ http://www.bestsextv.com http://www.nyctrio.com/ http://www.sexboxvideo.com/ http://www.sibura.com