sábado
23 de Setembro de 2017 - 15:42
Subscrever feed Add to Google Subscrever num leitor de feeds
 
Destaque
Emanuel Garcês: Vai muito para lá do dinheiro a luta dos enfermeiros
 
Destaque
Querer é poder
 
AGENDA
Mostra de Artes de Rua anima Sines até amanhã
semana
 
Jerónimo de Sousa em Beja++
 
Sismo sentido em Barrancos++
 
Candidaturas para “Aldeia dos Sonhos”++
 
castro Verde participa na reunião da Rede Nacional de Reservas da Biosfera++
 
Santo André exige passagem pedonal++
 
Cebal promove “Um dia com …”++
 
Outeiro do Circo marca presença no Heritales++
 
Jornada do Património Cultural Imaterial do Alentejo ++
 
Autoridade Marítima alerta para cuidados com caravelas-portuguesas ++
 
Detetor de trovoadas instalado em Serpa++
 
Trabalhador morre em Odemira++
 
“Águas passadas” em exposição na EMAS++
 
 
 
 
 
Livros


Amos Oz
D. Quixote
176 págs.
14,90 euros



Entre amigos



Em Ykhat, lugar imaginário recriado por Amos Oz a partir da sua experiência de vida num kibutz, oito histórias interligadas fazem deste espaço a personagem principal de Entre amigos, onde todos deveriam estar irmanados pelo projecto comunitário mas em que poucos vivem realmente felizes. As relações entre pais e filhos, entre homens e mulheres, entre amigos, não são fáceis, determinadas pelas regras da comunidade em construção, onde todos os assuntos – até o da “propriedade” dos filhos e como crescem e são educados – são decididos em espaço público. O livre arbítrio só existe em função da comunidade; quase não há margem para a afirmação da vontade e liberdade individuais.
Lúcido, com um estilo despojado de qualquer sentimentalismo mas comovente pelas evidências que vai iluminando de que o espírito humano cintila, aqui e além, mesmo em realidades de cariz totalitário, Amos Oz impõe-se como cronista, inquietante, da vida em Israel. Entre amigos remete-nos para o dilema do complexo do “carcereiro”, para a inevitável reflexão sobre como Israel reproduz um sistema concentracionário de que os seus foram vítimas durante a II Guerra Mundial. O quotidiano de Ykhat é a negação da utopia sonhada para o novo país, sobre as ruínas de aldeias árabes cujos habitantes foram empurrados para o exílio ou para a morte, com a inquietação da guerra sempre presente. A escrita de Amos Oz, essa, devolve-nos à humanidade, através de retratos simples mas magistrais, da sensibilidade dos indivíduos, que sobrevive, não obstante as políticas de Estado.

Maria do Carmo Piçarra



































 
 
 
 
  • http://www.yakademia.com http://www.artblows.com http://www.sensepam.com/ http://www.footneuf.com/ http://www.bestsextv.com http://www.nyctrio.com/ http://www.sexboxvideo.com/ http://www.sibura.com