segunda-feira
20 de Fevereiro de 2017 - 15:25
Subscrever feed Add to Google Subscrever num leitor de feeds
 
Destaque
“As mulheres têm de estar presentes na revolução tecnológica”
 
Destaque
Litoral luta contra prospeção de petróleo
 
AGENDA
Paulo Ribeiro apresenta novo álbum em Grândola
semana
 
Alqueva mostra-se em Paris ++
 
Executivo não divulga custo da RuralBeja, denuncia PS ++
 
Escola de Odemira volta a estar no pódio da reciclagem ++
 
Aprovada requalificação do Mercado Municipal de Serpa++
 
Moura assinala Semana do Idoso ++
 
Obras de Alqueva deixam estradas de Aljustrel em “estado calamitoso” ++
 
Lince ibérico Lítio regressa ao Vale do Guadiana ++
 
Encontros com a Dança em Mértola até novembro ++
 
Ordem dos Médicos de Beja debate A saúde e o interior” ++
 
Aljustrel prepara projeto “Cante à Mesa” ++
 
“Mar de Sines” vence prémio de “Melhor Filme Etnográfico” no Brasil++
 
Dia Europeu sem Carros em Aljustrel ++
 
“El País” e “Le Monde” rendidos a António Zambujo ++
 
Vinhos da costa alentejana envelhecidos no fundo do mar++
 
Documentário “Mar de Sines” mostra-se ao mundo ++
 
PS de castro acusa CDU de não querer baixar IRS no concelho++
 
Ana Moura atua em Sines no sábado++
 
José Cid e Marante nas festas de Beringel++
 
Associação alentejana Cultivamos Cultura representa Portugal na 1.ª Bienal de Design de Londres ++
 
Bejense António Vilhena será o único português em feira literária no Brasil++
 
 
 
 
 
Letras

Maria Teresa Horta
D. Quixote
12,90 euros
144 páginas




Ema



Foi a poesia que revelou o talento de Maria Teresa Horta. Depois, com Novas Cartas Portuguesas, em coautoria com Maria Isabel Barreno e Maria Velho da Costa, notabilizou-a antes do fim da ditadura pela afirmação da sensibilidade feminina e pela coragem de afirmar uma voz forte – que lhes valeu um processo judicial “por ofensa à moral pública”. Entre as suas obras maiores, em 1984, Ema é distinguido com o Prémio Ficção Revista Mulheres 1985. Ema é nome de uma linhagem de mulheres reprimidas – libertadas através de um ato de vingança –, a cujo desejo calado Maria Teresa Horta restitui a voz, e de corpo(s) violentado(s), numa violência antiga, ordenada, que a escritora denuncia. Não é uma violência popular; a escritora quis denunciar a violência, transversal na sociedade, também de classe alta, sobre a mulher. É uma violência esmagadora, silenciosa, passada no interior da casa, “passada” de pai para filho; de mãe submissa – mãe ancestralmente quebrada – para filha. A violência é sobre o corpo, mas também sobre a alma e o coração. Retira a mulher das esferas do prazer e das ideias e culpabiliza-a mesmo na maternidade – a descendência perseguida, no masculino, através de um filho.
A escrita ficcional de Maria Teresa Horta é entretecida de poesia, de não ditos que são agora revelados, no feminino; do revelado que é – finalmente – dito de modo não convencional, nunca óbvio. A paixão atravessa Ema; o ódio é dilacerante, as declinações do desejo feminino são reveladas, poeticamente mas sem velaturas.
Ema, editado há mais de 30 anos pelas Edições Rolim, há muito se encontrava esgotado. Regresso às livrarias de uma das vozes femininas mais importantes da literatura portuguesa numa obra fundamental.


Maria do Carmo Piçarra


 
 
 
 
  • http://www.yakademia.com http://www.artblows.com http://www.sensepam.com/ http://www.footneuf.com/ http://www.bestsextv.com http://www.nyctrio.com/ http://www.sexboxvideo.com/ http://www.sibura.com