segunda-feira
29 de Maio de 2017 - 23:38
Subscrever feed Add to Google Subscrever num leitor de feeds
 
Destaque
A grande festa dos livros aos quadradinhos
 
Destaque
Só os “lobos” sobem o rio até Mértola
 
AGENDA
“Cores do chá” em exposição no IPBeja
semana
 
Encontrado corpo de menino desaparecido em São Torpes++
 
Presidente do Tarrafal em Moura ++
 
Pedro do Carmo questiona Governo sobre energias renováveis++
 
Lince ibérico solto em Mértola++
 
CDU visita obra autárquica nas freguesias de Beja++
 
Três detidos por tráfico de droga em Zambujeira do Mar++
 
Aljustrel recebe encontro nacional de universidades seniores++
 
Serpa também quer “escola ativa”++
 
Apresentados candidatos às Autárquicas ++
 
Santiagro encerra com Matias Damásio++
 
Ateliês de verão em Moura++
 
Centro de Paralisia de Beja inaugura parque infantil adaptado++
 
 
 
 
 
Letras

Maria Teresa Horta
D. Quixote
12,90 euros
144 páginas




Ema



Foi a poesia que revelou o talento de Maria Teresa Horta. Depois, com Novas Cartas Portuguesas, em coautoria com Maria Isabel Barreno e Maria Velho da Costa, notabilizou-a antes do fim da ditadura pela afirmação da sensibilidade feminina e pela coragem de afirmar uma voz forte – que lhes valeu um processo judicial “por ofensa à moral pública”. Entre as suas obras maiores, em 1984, Ema é distinguido com o Prémio Ficção Revista Mulheres 1985. Ema é nome de uma linhagem de mulheres reprimidas – libertadas através de um ato de vingança –, a cujo desejo calado Maria Teresa Horta restitui a voz, e de corpo(s) violentado(s), numa violência antiga, ordenada, que a escritora denuncia. Não é uma violência popular; a escritora quis denunciar a violência, transversal na sociedade, também de classe alta, sobre a mulher. É uma violência esmagadora, silenciosa, passada no interior da casa, “passada” de pai para filho; de mãe submissa – mãe ancestralmente quebrada – para filha. A violência é sobre o corpo, mas também sobre a alma e o coração. Retira a mulher das esferas do prazer e das ideias e culpabiliza-a mesmo na maternidade – a descendência perseguida, no masculino, através de um filho.
A escrita ficcional de Maria Teresa Horta é entretecida de poesia, de não ditos que são agora revelados, no feminino; do revelado que é – finalmente – dito de modo não convencional, nunca óbvio. A paixão atravessa Ema; o ódio é dilacerante, as declinações do desejo feminino são reveladas, poeticamente mas sem velaturas.
Ema, editado há mais de 30 anos pelas Edições Rolim, há muito se encontrava esgotado. Regresso às livrarias de uma das vozes femininas mais importantes da literatura portuguesa numa obra fundamental.


Maria do Carmo Piçarra


 
 
 
 
  • http://www.yakademia.com http://www.artblows.com http://www.sensepam.com/ http://www.footneuf.com/ http://www.bestsextv.com http://www.nyctrio.com/ http://www.sexboxvideo.com/ http://www.sibura.com