segunda-feira
20 de Novembro de 2017 - 05:44
Subscrever feed Add to Google Subscrever num leitor de feeds
 
Destaque
Luís Santana: Administrador da Cofina tem o Baixo Alentejo no coração
 
Destaque
Apesar da seca qualidade da água ainda não preocupa
 
AGENDA
Especialistas debatem viola campaniça, cante ao baldão e despique
semana
 
PCP questiona Governo sobre obras nas escolas de castro e Serpa++
 
Falta de médicos especialistas preocupa PSD++
 
Comoiprel com nova direção ++
 
Marinha faz levantamento hidrográfico no Guadiana++
 
Beja participa no 2.º Encontro Ibérico de Leitores de Saramago++
 
Nomeações no IPBeja++
 
Noite de Fados da Santa Casa da Misericórdia de Beja ++
 
Quarta Noite Colorida da Cercibeja++
 
Centenário da Revolução de Outubro em exposição++
 
Centro de apoio ao imigrante em Serpa ++
 
Câmara de castro aprova redução da Taxa de Participação do IRS++
 
Cortiçol tem novos órgãos sociais para o biénio 2017-2018 ++
 
 
 
 
 
Filmes


“Linha Vermelha”

Prémio para a melhor longa-metragem portuguesa no IndieLisboa 2011, “Linha Vermelha”, de José Filipe Costa, é um filme sobre outro – “Torre Bela” (1975), de Thomas Harlan – e um filme sobre a natureza do cinema e da relação deste com a realidade. O filme de Harlan fixou, após o 25 de Abril de 1974, a ocupação pelos trabalhadores da herdade da Torre Bela, a 80 quilómetros de Lisboa, assim como a subsequente criação de uma cooperativa. Certo é que o filme de Harlan passou a ser emblemático da ocupação e filme e realidade passaram a confundir-se.
A abordagem de Costa é questionadora. Problematiza o filme de Harlan – o modo como a presença da câmara e a direção do filme contaminou momentos da ocupação em função da dramaturgia da obra filmada tal como, subjacente ao documentário de Costa, está a questão de como se faz história. Em perspetiva, a história não é tão ficcional quanto a que é disposta em cena em função de uma narrativa arrumada num guião? Harlan escolheu, para a sua obra, personagens principais na ocupação e elas comportaram-se como tal. “Linha Vermelha” volta a ouvi-las mas noutro registo. Procura ir além. Que sucedeu à Torre Bela, à sua cooperativa, aos que tiveram um sonho? Como vivem hoje? O que mudou nas suas vidas? 
Feito no âmbito de uma tese de doutoramento em cinema defendida, com êxito, em Inglaterra, “Linha Vermelha” questiona a memória individual e a coletiva bem como o modo como o cinema faz memória. A ocupação da Torre Bela ganhou uma nova perspetiva, disposta mas não fechada por Costa. Este “Linha Vermelha” abriu – como os camponeses na casa dos Bragança – as gavetas do filme de Harlan. Ficaram abertas a outros olhares, outras leituras. “Torre Bela” não mais poderá ser visto sem ser em diálogo.  A não perder.

Maria do Carmo Piçarra



 
 
 
 
  • http://www.yakademia.com http://www.artblows.com http://www.sensepam.com/ http://www.footneuf.com/ http://www.bestsextv.com http://www.nyctrio.com/ http://www.sexboxvideo.com/ http://www.sibura.com